sobre castelos, elos e afins.

Há quem invista suas fichas no ramo dos alicerces.
Cansei, quero pontes. To bem dos castelos de areia e das constantes ondas do mar.
Quero caminhos de ida e volta. Não que eu vá voltar, mas eu quero saber que eu posso.

Porque eu sempre sento aqui, construo essa bagaça sozinha, e ninguém me avisa que a brincadeira é de uma pessoa só. Se é solo, perae, deixa eu me mexer.

Castelos, to cheia. Cansei de brincar de princesa. Agora eu sou arquiteta, construo pontes.
E enquanto me vou, deixo os pedacinhos do meu coração pelo caminho. E quando volto eu monto tudo de novo, novo.

7 comentários:

Will e Fá disse...

Bom dia Dorinha!
Se reconstruir sempre, esse é o lema!
Adorei esse post.

Beijos,
Fá!

Teixeira disse...

Dora, ninguém precisa avisar. A brincadeira é SEMPRE de uma pessoa só...

Dora Delano disse...

Poxa, Rodrigo...

Lia Nandhe disse...

A brincadeira nunca eh solo. Mas a gnt é condicionado a ter uma via só de contrução, a construir com uma pessoa só e de ter q ser pra sempre...pq? pq só serve o príncipe que nao existe?(e nunca existiu). Quanto mais estrada se contrói e se caminha, mais legal e menos ilusória a brincadeira fica.

doce amargo. disse...

Já um passo.

Dora Delano disse...

Doce, eu não consigo comentar no seu blog. Só consigo comentar em blogs que a janela do comentário seja pop-up.

Nerito disse...

Bem, sendo bastante Pollyana da minha parte, as pontes podem aproximar pessoas, né? ^_^