Fragmentos de mim

não sei se é pedir muito. Mas é o que eu quero. O que eu preciso. A minha eterna busca. Meu projeto de vida. O que me alimenta, o que me destrói. Eu queria ter alguém que ficasse. Quando a chuva vira tempestade, quando o sol ofusca, em céus estrelados ou noites nubladas. Quando o frio for insuportável e o calor detestável. Quando os outros forem mais belos, mais legais, inteligentes e simpáticos. Ainda sim. Queria ser a escolha de alguém, apesar de tudo e de todos.

-_-_-

E tenho medo que quando eu ache, eu desista, eu não dê valor, eu subestime. Eu abandone. Quem sabe quem me alimenta seja a possibilidade.

4 comentários:

Lia disse...

A questão é saber se isso existe! A possibilidade tem seu lado bom também...Na verdade, a gente nunca está satisfeito...questão de sobrevivência?? Vai saber...

Fefa Rodrigues disse...

Oiii Dora!!! Obrigada!!! Sem muita pretensão... mas a gente vai melhorando, né hehehe... a cidade é Itahahém, litoral de SP... vc é de SP?

Então, é uma praia que a galera não dá muita moral... mas eu gostei, não tem badalação... mas a praia é limpa e sossegada... tem esse centro histórico que é pequeno mas uma graça... eeeee... tem cinema, uma pizzaria deliciosa, habibis e macdonalds... o que mais a gente pode pedir??!!! hehehe... além do La Baska é claro!!!

Quanto a seu texto, ótimo pra variar..., acho que manter as possibilidades é a maior tentação... tornar algo definitivo, encerrado... isso assusta!!! Pelo menos a mim....

bjos
Fefa

Will e Fá disse...

Ah, quando for a pessoa que vai "ficar" você vai saber, pode ter certeza!

Beijão,
Fá!

donluidi disse...

Nalguns dias, nalgumas madrugadas sinto-me do mesmo jeito.