[nem te] conto II

A manhã de hoje lembrava aquelas de prenúncio de primavera. E eu, uma ingênua crédula da previsão do tempo, havia me vestido o suficiente para aguentar os ares polares do sul. Então, eu sentia calor e estava claramente incomodada.

De qualquer forma, eu agia como em todas as vezes em que passava em frente àquele prédio: com esperança. Desde que descobri que a empresa em que você trabalha tinha sede perto da minha casa, aquela rua era caminho certo, seja qual fosse o meu destino.

Era todo um ritual para te atrair. Eu colocava no MP3 a sua banda favorita, estava sempre perfumada e com  as unhas pintadas. Andava o mais devagar que a minha idade permite e tentava que aquilo fosse o mais casual possível.

O cheiro daquela rua era sempre o mesmo. Não era o novo jardim do prédio recém construído do outro lado da calçada, nem dos livros novos da livraria da esquina. Era um cheiro de nostalgia. Eu prendia a respiração em ansiedade e sentia o seu perfume. Olhava disfarçadamente para trás. Quem sabe você tinha passado por mim e eu não tinha reparado - o quanto será que os anos podiam ter te mudado? Mas para trás não tinha ninguém, só a saudade.

E hoje foi mais uma daquelas quartas-feiras, de muita esperança [fantasia?] e pouco resultado, tentando ainda driblar os desígnios do nosso destino...

6 comentários:

Lia disse...

A imaginação pode nos fazer viver amores inesquecíveis!

Davi Laranjeira disse...

Eu fico imaginado se o que você escreve é a realidade ou se é você criando uma história...

Dora, já deve ter terminado o livro, não é? Hj peguei ele firme de novo... retomando a normalidade de meus dias!!

Fefa Rodrigues disse...

Dora, foi isso mesmo... esse moço bonito ai em cima é meu futuro conjuge hehehe... o e-mail dele estava berto aki na maquina e eu não percebi!!

Sobre a história, uma das coisas bem legais do Gabo é essa sensação de não dar pra perceber onde termina o possível e começa o fantástico, né?!

CMachado disse...

Olá Dora!!!
Você é uma pessoa talentosa! ;D

Vim comentar o livro D.A.O.D um pouquinho...
Li lá na Fefa que vc já o terminou.
Estava lendo junto "Equador", mas ambos com uma escrita gostosa dá p/ ler tranquilo.

Bem, que raiva que dá dos pais da menina né?
Um livro que expõe bem a ignorância mas a maldade tb das pessoas.
As vezes penso, que elas fingem ignorância p/ poder ferir...
Enfim, parece que tem uma pessoa mais coerente p/ ajudá-la o Delaura.
Vamos ver no que vai dar... Termino hoje, acredito estou c/ tempo.

Bjk e boas leituras

Suzi disse...

Destino que poderá ser um conto de fadas ou simplesmente virar algo real..

Quem sabe??

Cenas de um próximo capítulo???

Beijos

Nerito disse...

Fico imaginando um outro lado da história, em que a outra pessoa escreve respondendo...