a perfeição é monótona

a rotina é uma pedra no sapato que eu sou obrigada a calçar todos os dias. Ela me mutila lentamente. E seu incômodo é quase imperceptível. É uma perda de vida paulatina. É meu sorriso morrendo diariamente. E no fim não entendo a minha tristeza.

Tenho o que queria. O que pedi. O que achei que poderia me fazer feliz. Cheguei no final do arco-iris. Achei meu pote de ouro. Estou inerte. A alegria inicial se dissipou. Nada me desafia, nada me impele.

Procuro o conflito. A perfeição é monótona. Quero algo que dê vazão aos meus pensamentos.

A paz é apática. Só a guerra me impulsiona.

2 comentários:

Fefa Rodrigues disse...

As vezes seria bem mais fácil ser alguém que quer menos da vida...

Nerito disse...

É, por isso ninguém gosta muito do "felizes para sempre", já que ele não passa de uma ilusão.

Felicidade demais também pode matar.